Tipos de tráfego: os 6 principais e sua importância

Se deparou com a expressão tráfego digital e ficou perdido? Venha com a gente e entenda os 6 (mais 2) principais tipos de tráfego no marketing digital (e saiba porque deveria saber).

Beleza, você chegou à segunda década do século XXI, seu negócio já está nos diretórios e tem uma página para cada rede social já concebida pela mente humana.

Você vai ver as conversões e… cadê o resultado? “Onde estão meus leads que foram prometidos pelos gurus do marketing digital?”

Bom, nós temos a resposta, mas tudo começa com uma pequena, comum, mas importantíssima palavrinha: TRÁFEGO. 

Venha com a gente e vamos saber o que é o tráfego, os tipos que existem, e porque você precisa ter controle dele.

O que é tráfego?

E então você se pergunta: “mas o que raios o trânsito tem a ver com minhas vendas?”

Olha, na verdade o trânsito veicular em si tem um monte de coisa a ver com suas vendas, mas não é dele que estamos falando dessa vez.

Estamos falando sim do tráfego digital, isto é, o número e o fluxo de pessoas que passam pelas páginas da web, o caminho que percorrem e o que fazem quando estão nelas. 

Na realidade não é muito diferente do trânsito, a diferença é que as vias do mundo digital são bem mais largas (infinitas), sem limites de velocidade (só o da sua internet) e quanto mais movimento, melhor (não existe engarrafamento, apenas sucesso e o contrário de estresse).

Acontece que, se sua empresa depende de alguma forma das pessoas te encontrarem no meio digital, seja através de divulgação ou loja virtual para seus produtos, a falta de tráfego é exatamente o que você não quer.

Mais tráfego tende (vamos explicar tráfego qualificado mais pra frente) a representar mais leads, isto é, oportunidades de vendas. Logo, ele é efetivamente o verdadeiro objetivo da sua presença na web, e de nada adianta fazer tudo bonitinho e não ter ninguém vendo.


Os tipos de tráfego no marketing digital

Você já sabe então o que é o tal do tráfego e porque ele é importante, mas agora chegamos na parte mais complicada que vai te dar a noção de como usar os números de tráfego a seu favor.

Os dados de tráfego são divididos em 6 grandes tipos diferentes, separados de acordo com a origem daquele acesso, ou seja, a porta pela qual o lead em potencial chegou em você.

Essa especificação é importante para definir exatamente os locais do seu funil de conteúdo que estão funcionando, os que estão superando as expectativas e os que estão deixando a desejar; além de permitir identificar em quais buracos os motoristas estão perdendo o pneu e não chegando na sua casa (perdão, vamos parar de misturar as analogias).

Fique com a gente e descubra então quais são os 6 tipos de tráfego (mais 2 especificações que podem ser relevantes de bônus).

1. Tráfego orgânico

Esse é o tráfego mais intuitivo. Basicamente são as pessoas que chegaram até seu site após fazerem uma pesquisa nos mecanismos de busca (como o Google) e clicaram em um dos resultados, que por acaso (não exatamente) era a sua página, blog, loja, página de conversão, etc.

A melhora desta fonte de tráfego costuma envolver, primeiro, o conteúdo que você publica (o tal do marketing de conteúdo) e, segundo, a otimização para mecanismos de busca desse material (o famoso SEO, ou Search Engine Optimization), o que deixa sua página redondinha para o algoritmo desses mecanismos.

Através de um conteúdo útil e interessante ao público, além do emprego de boas práticas de SEO (isso já é todo um assunto pra outra hora), o seu ranking nos resultados melhora, ou seja, você vai para a primeira página da busca, ao invés da quinquagésima terceira.

O ideal para seu tráfego é que você chegue quase no topo da busca, e aqui digo quase por conta da existência do nosso segundo tipo de tráfego.

2. Tráfego pago

Este, por sua vez, é para quem está com mais pressa de resultados e algum dinheiro extra para investir nisso. Uma vez que o tráfego orgânico envolve uma competição muito mais acirrada entre os seus conteúdos e serviços e os inúmeros conteúdos de outros, ele não é exatamente a forma mais imediata de conseguir seus leads.

Ao invés de apenas esperar suas páginas subir nos rankings, as empresas têm algumas opções de pagar por espaços privilegiados para seus anúncios, o que ocorre principalmente de duas formas diferentes, ambas relacionadas com a plataforma do Google Ads (e similares de outras marcas):

  • Rede de Pesquisa nesta modalidade, você paga pelo posicionamento da sua página nas buscas do Google (ou dos outros mecanismos). É aqui que entra o que disse no tipo anterior, uma vez que hoje os primeiros resultados nas buscas são os que são impulsionados dessa forma. Além de ser pago, esse tipo vem com o detalhe de que seu link estará indicado como ‘Ad’ ao aparecer nas buscas.
  • Rede de Display já este método funciona mais como a compra de uma vitrine pela internet. Na assinatura, você está pagando por espaços em sites parceiros do Google (além de outras redes e sites) e que tenham a ver com seu assunto e público-alvo, ou de acordo com o comportamento do algoritmo no navegador do seu potencial lead, aparecendo junto de blogs, redes sociais e portais.

Vale lembrar que, ao contrário do que acontece com o tráfego orgânico, que pode ser originado de uma estratégia de Marketing Inbound, isto é, você atrai o público até você de forma passiva, o tráfego pago consiste de uma estratégia de Marketing Outbound, mais próximo da publicidade tradicional, funcionando através de anúncios ativos entregues ao seu lead em potencial. Entretanto, ambas as formas podem ser empenhadas de forma complementar.

3. Tráfego social

Esse é simples, mas de longe um dos mais importantes, nada mais é do que o tráfego que vem de links presentes nas redes sociais.

Um estudo publicado em 2021 pela Forbes mostrou que o brasileiro passa, em média, cerca de 5,4 horas em aplicativos, sendo o primeiro no ranking mundial. Na lista dos 10 aplicativos mais usados estão redes sociais como Instagram, Facebook e TikTok.

Fica clara então a necessidade de se estar presente no maior número de redes sociais possível se você deseja alcançar o máximo de público.

Não só é importante estar presente, como entra aqui o valor do famoso engajamento. Ainda que os mecanismos variem de plataforma para plataforma, as interações com suas postagens, seja através de curtidas, comentários, compartilhamentos, etc., estimulam os algoritmos a dar mais visibilidade ao seu conteúdo, o que pode contribuir com um aumento precioso no seu tráfego.

4. Tráfego de e-mail marketing

Dos mais tradicionais, mas também um dos mais confiáveis para a geração de tráfego qualificado, é o que vem dos links inseridos nas peças que você enviou através da caixa de entrada de usuários cadastrados.

A eficiência desse método surge do fato de que as pessoas que estão clicando nesses links o fazem porque concordaram com isso, uma vez que elas só têm acesso a essas mensagens após cadastrar o e-mail na sua newsletter. Isso também significa que essas pessoas já estão mais abertas e interessadas no que você tem a oferecer.

Apesar de ser menos frequente por envolver um número mais limitado de pessoas, esse é o tipo de tráfego com a proporção mais garantida de leads promissores.

5. Tráfego de referência

É basicamente a “indicação” do amigo ao seu negócio, assim como a sua ao dele. O tráfego de referência é definido pelos visitantes que chegaram naquela página através de links em outras páginas (que não mecanismos de busca, anúncios e redes sociais).

Vamos supor que você esteja lendo um blog (espera… você está lendo um blog) e encontra no texto uma série de links que te levam para outras páginas, o fluxo através desses links é o tráfego de referência.

Além de indicar uma ideia de autoridade da página referenciada, o legal dessa variedade é que ele indica o algoritmo dos mecanismos de busca que a sua página é relevante para aquele assunto, o que por sua vez vai influenciar no ranqueamento dela nos mecanismos de busca e pode influenciar positivamente no tráfego orgânico.

6. Tráfego direto

De forma resumida é o tráfego que não vem de lugar nenhum…

Brincadeira, na verdade ele não veio de nenhum outro lugar dentro da internet. Como assim? Em sua principal forma, ele é a chegada da pessoa que simplesmente digitou a URL na barra de endereço do navegador

Também vale para quem clicou em um link na lista de favoritos ou um atalho salvo no computador/celular.

Esse acesso costuma acontecer através de interações offline que fizeram o visitante conhecer o site (e o ímpeto de digitar o endereço completo na barra), seja através de interações com amigos e colegas, mídia impressa ou mesmo televisão e rádio.

Antes de existir mecanismos de busca, redes sociais ou blogs, lá na época da internet discada, esse era basicamente o único tipo de tráfego, então favor respeitá-lo, ele é o “vovozinho dos tráfegos”.

Tráfego qualificado

Já citado anteriormente, esse é o tráfego mais importante de todos. Por quê? Porque esse é o tráfego que converte.

Quando falamos em tráfego qualificado, estamos falando dos visitantes à página que são leads em potencial, são exatamente quem você procura, o mais próximo possível da sua persona.

Por uma série de motivos, esses estão em posições mais abaixo no funil de vendas. São os que já entraram pra falar com você e querem o que você tem para vender.

Isso não significa que os outros visitantes não são importantes. Primeiramente porque eles podem eventualmente se tornar parte do seu tráfego qualificado; além disso, em um mundo social e extremamente conectado, o tráfego não-qualificado pode ainda prestar uma função de divulgar você a quem de fato interessa.

Apenas lembre-se de que não adianta também ter milhares de visitas, mas isso não se traduzir em conversão. Nesse caso, é importante reavaliar sua estratégia.

Bônus: Tráfego offline

Bom, você sabe agora os principais tipos de tráfego quando falamos de marketing digital.

Também é importante não esquecer o valor do mundo fora das telas. Claro que isso vai variar de acordo com seu negócio e público, mas a presença e atenção fora das redes pode muito bem gerar tráfego dentro delas.

É o que basicamente se transforma em tráfego direto quando entra para o meio digital, mas ainda vale o que foi citado no tópico anterior: vivemos em um mundo social e conectado, e a informação pode se propagar infinitamente para todos os lados.


Ok, esse último é meio café-com-leite quando a conversa é sobre tipos de tráfego digital, mas é sempre bom lembrar que ainda somos de carne e osso.

Mas e aí, ficou com alguma dúvida? Quer saber mais sobre tráfego e como gerir ele para o seu negócio? Fale com a Soleil e saiba como podemos atingir seu sucesso dessa e de outras formas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.